Primeiros Passos para Começar a Investir em Ações

primeiros passos para começar a investir em ações

No blog já se falou dos primeiros passos para começar a investir, já se falou de algumas estratégias de investimento, algumas ações em específico, etc. Este artigo tem como objetivo dar os primeiros passos para quem quer investir em ações. Seguindo estes passos diminui-se o risco de perda e de imprudência no momento de investir bem. São 5 passos muito simples mas que ajudam para quem é iniciante.

#1 – Escolher a Corretora

Quando queremos começar a investir em ações uma das primeiras decisões é no que é que eu vou investir e em que mercado. Podemos só querer investir no mercado europeu e aí não precisamos de uma corretora com bolsa americana (se bem que hoje em dia penso que as corretoras todas têm mercado americano), podemos só querer investir em ETFs, ou só em obrigações, etc. O importante é quando tomarmos a decisão é perceber que corretora mais se adequa ao que queremos investir, e neste caso, os preços que pratica.

Eu atualmente utilizo 3 plataformas para investir em ações e ETFs:

  • Degiro: para ações de menor valor (ações até 50€);
  • Trading212: para ouro, reits e etfs;
  • Revolut: para ações de maior valor através da via de ações fracionadas.

Porquê estas 3? Porque no meu caso, para o meu estilo de investimento, reparei que estas 3 plataformas de completam. Desta maneira não pago tanto em comissões porque 2 delas as comissões são gratuitas e aquela em que pago comissões, que é a Degiro, é a maior corretora da Europa e as próprias comissões para a bolsa americana tem um custo muito baixo.

Investigue as corretoras que existem no seu país e os seus custos.

#2 – Escolher o Tipo de Investimento

Para além de termos que decidir que mercado ou mercados adoptar nos nossos investimentos e se serão ações, etfs, obrigações, etc, devemos perceber se queremos investir a:

  • Curto prazo: o investimento fica em nossa posse pouco tempo, entre 1 dia a sensivelmente 1 ano;
  • Médio prazo: o investimento fica em nossa posse tempo suficiente para ganhar alguma maturidade, entre 1 ano e 5 anos;
  • Longo prazo: basicamente consiste em quase “esquecer” que o nosso investimento existe, no sentido em que quando o obtemos a ideia é deixá-lo crescer com o tempo e neste caso é a partir de 5 anos.

Neste tipo de decisão podemos diversificar se assim o entendermos, mas antes de comprar esse produto financeiro pensar bem onde é que ele se vai colocar nesta categoria, pois estando uma vez na categoria de longo prazo e de repente existir uma crise, lutarmos contra a nossa parte emocional (que é o desafio maior).

#3 – Escolher a Diversificação do Portfolio

Esta decisão pode ser tomada ao longo dos nossos investimentos, até porque quando começamos não temos bem a noção de tudo o que existe no mercado financeiro e ao ganhar mais conhecimento e crescermos ao nível de inteligência financeira melhores decisões iremos tomar. Mas um dos pontos importantes é perceber, como é que diminuimos o risco ao máximo? É apostar tudo em uma só ação, ou dividir? Uma só indústria ou dividir? Tudo começa por um lado mas é importante perceber que tipo de diversificação vamos adoptar:

  • Diversificar no mercado, optando por investir em difererentes bolsas?
  • Apostar por diversificar ao nível da indústria?
  • Diversificar ao nível do produto (ações, etfs, etc.)?

Existem diferentes formas de diversificar e como o mercado é gigante é interessante perceber que se diversificarmos, onde o vamos fazer.

#4 – Definir a Estratégia de Investimento

Esta estratégia é extremamente necessária para quem inicia investimentos na bolsa. Perceber que tipo de estratégia usar para poder ao longo do tempo ter lucros, podem não ser os maiores lucros da bolsa, mas lucros consistentes. Quando iniciamos não somos super entendidos na bolsa, tudo leva tempo e é necessário experiência e ganhar conhecimento por isso quanto menos definirmos uma estratégia pior podem ser os resultados que podemos ter.

  • Compra de produtos financeiros apenas e só quando o mercado está baixo: nesta situação ou esperamos por uma crise de indústria ou esperamos por uma grande crise. As grandes crises normalmente acontecem de 10 em 10 anos. Para este tipo de estratégia temos que estar muito atentos ao mercado e mais do que isso ter muita paciência.
  • Compra quinzenal de produtos financeiros: definimos um valor do qual estamos dispostos a investir e a cada 2 semanas investir esse valor nos nossos investimentos. Portanto quer o mercado esteja excelente quer esteja menos bom, no final conta a média e os possíveis impactos de perda são drasticamente inferiores.
  • Investimento mensal: igual à estratégia de compra quinzenal, com apenas a vantagem de não termos que estar constantemente a analisar o mercado num curto espaço de tempo.

Há várias estratégias possíveis de se adotar, depende muito do estilo de investidor que é, se quer dedicar mais tempo aos seus investimentos ou não e a partir daí escolher a melhor para si, a que poderá dar maiores resultados com o mínimo de perda possível.

#5 – Começar a Investir

Após perceber a corretora que quer investir, os mercados que quer atuar, a estratégia que vai adotar agora só falta começar. Comece com calma e devagar para se habituar à plataforma em que vai investir e para começar a habituar-se ao mercado financeiro. A cada transação que faça vai-se cada vez mais sentir à vontade. Tente ganhar cada vez mais conhecimento sobre o mercado financeiro e tentar controlar a parte emotiva. Quer invista para curto prazo quer invista para longo prazo, a paciência e o estado de espírito o mais tranquilo possível é a chave para conseguir tomar cada vez mais as melhores decisões para si.

Estes foram os 5 primeiros passos para começar a investir em ações. Espero que tenha gostado.

Desejo-lhe um excelente começo!

Artigos Relacionados


Deixa o teu comentário!

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.